Inscrições 2017

 No período de 26 a 30 de outubro, reuniram-se em Lviv, Ucrânia, os representantes de mais de 56 países que participam oficialmente do concurso de Matemática que recebe o nome de Canguru de Matemática no Brasil.

 Houve a presença também de representantes dos vários países que pretendem participar do concurso a partir de 2017. A previsão é de que, num futuro próximo, 75 países façam parte da rede internacional do KSF. Lembramos que um país somente é aceito como membro se cumprir uma série de requisitos que garantem a realização adequada do certame.

 Como acontece todos os anos, antes do período oficial da realização do encontro, reuniram-se os membros da diretoria da organização internacional do KSF para tratar previamente de assuntos relevantes, como a procura crescente de países que desejam participar do evento e o aumento dos custos correspondentes, quais países cumpriram as fases necessárias para admissão no grupo, quais representantes deixaram de cumprir com as regras e terão suspensas suas participações, eleição do novo presidente da Associação e a regulamentação da questão dos direitos autorais do KSF, entre outros temas.

 Na foto acima, os membros da diretoria, no momento da condução da cerimônia de abertura do XXV Encontro, no anfiteatro da Universidade Nacional da Ucrânia Ivan Franko, cuja fachada pode ser apreciada ao lado. Terminada a cerimônia de abertura, no dia 26, os membros do KSF retornaram ao hotel onde se realizaram os trabalhos de produção das provas de 2017. Reuniram-se seis grupos diferentes de professores, responsáveis pelas provas dos seis níveis diferentes: Pre Ecolier, Ecolier, Benjamin, Cadet, Junior e Student. Aqui no Brasil são, respectivamente, as provas PE, E, B, C, J e S, descritas no regulamento. Foram três dias de um trabalho intenso e produtivo. Na foto, o  grupo formado pelos representantes que produziram a primeira versão da prova PE. 

 No dia 30 os professores retornaram a seus países e aguardam a versão final das provas. Essa versão final é da responsabilidade de cada um  dos coordenadores dos seis grupos, que tiveram de rever a linguagem das questões, a extensão do texto, a adequação do contexto, os  desenhos, a correção das respostas, o equilíbrio das opções, a ordenação das dificuldades, etc. Terminado esse trabalho de finalização,  bastante delicado, passa-se para a fase seguinte da preparação do Canguru.

 Todas as provas têm uma versão original em inglês, disponível para cada um dos representantes dos países membros no site oficial do KSF,  ao qual somente eles têm acesso. Neste ano, essas versões finalizadas foram disponibilizadas a partir do dia 26 de novembro, mais uma vez, somente para o representante oficial do país. O  site tem criptografia avançada, prevenindo assim a invasão por hackers.

 Esses representantes constroem então as versões das seis provas em suas línguas, fazendo as devidas adaptações para seu país. Eles têm liberdade de adaptar as questões, já que os  conteúdos programáticos diferem de país para país. Em geral as provas acabam sendo as mesmas, mas há casos de países que aplicam número menor de questões, por exemplo.

 Os encontros certamente não são somente trabalho. Muitas ideias são discutidas e trocadas entre os professores. A questão da Educação Matemática é central nessas discussões. Uma das  atividades desenvolvidas no encontro consiste na troca de presentes entre os professores, que trazem de seus países doces e outros produtos típicos, e também, o que mais interessa, produtos educativos usados nas escolas ou dados como prêmios aos estudantes que participam do Canguru. No Brasil, não temos ainda como distribuir prêmios, pois as escolas participam gratuitamente do Concurso. Na maioria dos países, as escolas e os estudantes pagam uma taxa de participação, de modo a prover a organização local de recursos para adquirir e distribuir esses presentes.

 Brasil está-se tornando um dos países com maior número de participantes no KSF. Em 2016 foram mais de 170 mil estudantes. Nossa expectativa é a de que esse número ultrapasse os 200 000 em 2017. Um dos motivos do sucesso do Canguru de Matemática Brasil é, com certeza, a qualidade das provas, nas quais a Matemática se apresenta como uma atividade intelectual desafiadora enquanto divertida. Além disso, cada participante busca principalmente avaliar suas competências e habilidades matemáticas, aprendendo com seus erros, sem se submeter à tensão de uma olimpíada, em que o ambiente é mais competitivo. É em razão desse fato que o Canguru de Matemática Brasil não faz divulgação pública dos resultados das escolas. Cada escola tem os resultados dos seus alunos e dispõe internamente desses dados da forma que lhe pareça a mais adequada.