25o encontro anual da Associação KSF

Como tem acontecido desde a época da sua fundação, a Associação Canguru Sem Fronteiras, responsável pela aplicação do Canguru de Matemática em mais de 80 países, reuniu mais uma vez seus membros para a produção do concurso cuja popularidade tem crescido exponencialmente entre os estudantes da educação básica em todo o mundo. 

 Esses encontros são anuais e costumam ocorrer em outubro, em países diferentes. Esses países apresentam-se voluntariamente para organizar o encontro que reúne um número crescente de pessoas a cada ano. Neste ano, o encontro foi sediado em Lucerna, Suíça, do dia 11 ao dia 15 de outubro, contando com 176 participantes, além das pessoas que trabalharam na sua organização. Dentre os participantes, encontravam-se as pessoas que representam oficialmente os países, chamadas membros ativos do KSF – Kangourou Sans Frontières. Atualmente há 83 países participantes, com 83 membros. Nem todos os membros têm o mesmo status: há o membros provisórios, que entraram recentemente para o KSF e que precisam demonstrar por dois anos que estão cumprindo com as regras da associação e há os aspirantes, que entraram com pedido para serem aceitos. Os membros ativos são os que já organizaram por mais de dois anos o Canguru em seus países e cumprem com todos requisitos do KSF, tais como participação nos encontros anuais, pagamento da taxa anual e envio de problemas e estatísticas para a associação. Atualmente há 53 membros ativos, 17 membros provisórios e 13 aspirantes.

Nesses encontros são tratados os assuntos relacionados com os aspectos formais da sociedade (estatutos, regulamentos, contabilidade), admissão de novos membros e eventual exclusão dos que não cumprem com os requisitos de participação, eleição dos componentes do quadro diretivo da associação (vice-presidente, tesoureiro, secretário e dois vogais), além do membro do país que sediou o evento em 2017 (Ucrânia), do que está sediando o evento corrente (Suíça) e do que irá sediar no ano que vem (Lituânia). Neste ano houve eleição para cinco componentes do conselho de administração (exceto presidência) para os próximos três anos, tendo sido escolhidos os membros da Alemanha, Áustria, Suíça, Porto Rico e Brasil. A eleição para presidente do conselho irá ocorrer daqui a dois anos (o presidente tem mandato de três anos, podendo ser reeleito duas vezes). Mas o trabalho mais importante realizado nos encontros é a produção das provas para o ano seguinte, no caso, 2018. 

Resumidamente, o trabalho de produção das provas começa com o envio de problemas de cada país para a associação. Isso é feito on line, na página oficial do KSF, acessível apenas aos membros ativos da associação, que necessitam de senha para entrar e operar a página. O site é protegido por criptografia de alto nível de segurança, já que o sigilo das provas é condição imprescindível para a credibilidade do concurso. Os problemas formam um grande banco, dividido por nível de dificuldade (3 pontos, 4 pontos e 5 pontos), tópico explorado (Geometria, Lógica, Números e Álgebra) e grupo de aplicação (PreEcolier, Ecolier, Benjamin, Cadet, Junior e Student, denominações tradicionais advindas do berço do Canguru, que foi a França). Nos dias do encontro, formaram-se seis grupos para trabalharem cerca de 15 horas na seleção dos problemas das provas, revisão e reformulação dos enunciados e figuras, ordenação dos problemas por dificuldade e equilíbrio na distribuição das opções.    A título de exemplo, a foto abaixo é a do grupo que produziu as provas do Pre-Ecolier, cuja coordenação esteve a cargo do professor Élio Mega, auxiliado pelo professor Pablo Ganassim, ambos do Brasil. Os professores são dos seguintes países ou regiões, da esquerda para a direita, em pé: Catalunha, Brasil, Cazaquistão, Itália, Brasil, Dinamarca, Singapura, Bulgária, Romênia e agachados: Bélgica, Costa Rica, Estados Unidos, Miamar, Áustria e Polônia. 

As provas são redigidas em Inglês. Os membros do KSF encarregam-se, em seus países, de fazer a tradução das provas e, eventualmente, de reduzir o número de questões e substituir até cinco delas por uma questão de adequação de currículo.  Cada membro organiza a aplicação das provas da maneira que lhe aprouver, desde que faça a aplicação na terceira quinta-feira do mês de março e garanta que os problemas das provas não sejam divulgados publicamente até o mesmo dia do mês seguinte. Esta condição é muito importante, porque há uns poucos países que não podem aplicar a prova no dia oficial, por conta do calendário escolar. Como o encontro não foi só trabalho, os professores, na noite de sexta-feira, dia 13, foram visitar o pico de Stanserhorn, a alguns quilômetros de Lucerna, de onde se descortina uma vista incrível da região. Mais uma oportunidade para a troca de ideias e impressões entre pessoas das mais variadas regiões do planeta, principalmente sobre a questão da educação em Matemática. Na foto, os professores do Brasil e Portugal.

Depois da assembleia geral na manhã de sábado e algum trabalho de finalização à tarde, foram todos conhecer um pouco da belíssima cidade de Lucerna, terminando o encontro com um jantar oferecido pelos organizadores do evento a bordo do barco Winkelried, num belo passeio pelo Lago dos Quatro Cantões.  

Domingo foi o dia da volta, todos com saudade do encontro e do lugar, mas cheios de entusiasmo, por trazer, cada um para seu país, um belíssimo conjunto de problemas de Matemática que certamente irá enriquecer a vida de muitos de seus jovens estudantes.